Blog

DST no Carnaval: prevenção é o melhor tratamento

DST no Carnaval: prevenção é o melhor tratamento

O Carnaval está se aproximando e com ele intensificam-se as campanhas de prevenção a doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Todo ano, neste período, o Ministério da Saúde inicia uma campanha com distribuição de preservativos masculinos, focando principalmente nos homens de 15 a 39 anos.

Mas por que é tão importante falar em prevenção dessas doenças que são transmitidas por meio sexual? Entre os anos de 2007 e 2017, a taxa de detecção do vírus HIV entre jovens de 20 a 24 anos cresceu muito. Além disso, mais de 70% dos novos casos de AIDS são em homens na faixa etária de 15 a 39 anos.

E engana-se quem pensa que a prevenção é focada apenas no HIV. O Brasil vive uma epidemia de sífilis – doença que pode causar graves complicações se não for tratada corretamente. Mas como se prevenir dessas DSTs – ou Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) – sem deixar a diversão da folia de lado?

 

Use camisinha

A taxa de adesão dos jovens entre 15 e 24 anos ao uso da camisinha ainda é muito baixo, ficando em torno de 60% nos casos de parceiros eventuais. A camisinha é importante não apenas para proteger de uma gravidez indesejada ou do HIV, mas também de doenças como HPV, herpes genital, gonorreia, hepatite B e C e sífilis. ( Apesar da proteção não ser segura 100%)

É importante lembrar que a camisinha deve ser usada na prática de sexo vaginal, anal ou oral. Para garantir que ela não seja danificada, separamos algumas dicas de armazenamento.

  • Ela deve ser guardada em um lugar fresco e seco;
  • Fique atento à data de validade do preservativo;
  • Verifique se a camisinha não possui rasgos ou defeitos;
  • Evite o uso de mais de um preservativo por vez;
  • Os lubrificantes devem ser à base de água ou silicone.

Apesar de as campanhas do Governo serem focadas na distribuição de preservativos masculinos, a camisinha feminina também é uma ótima forma de prevenir contra as doenças sexualmente transmissíveis.

 

Após uma relação sexual desprotegida

Caso o pior aconteça e você se esqueça de usar o preservativo durante uma relação sexual, você deve procurar um posto de saúde o mais rápido possível. O ideal é que seja em um prazo máximo de 72 horas após a relação.

 

ATENÇÃO!

As ISTs (ou DSTs) também podem ser transmitidas por outras vias, como:

  • Compartilhamento de seringas e agulhas;
  • Transfusões de sangue contaminado;
  • De mãe para filho, no parto ou durante a amamentação.