Blog

Enurese noturna: pais devem ficar atentos

Enurese noturna: pais devem ficar atentos

É muito comum uma criança com 5 anos ou menos fazer xixi na cama. Contudo, a tendência é esse hábito ir desaparecendo à medida que ela cresce. Porém, quando uma criança acima dessa idade costuma fazer xixi, sem apresentar qualquer problema orgânico no sistema urinário, ela pode estar sofrendo de enurese noturna.

Chamada popularmente de “xixi na cama”, esse distúrbio atinge em torno de 15% das crianças com cerca de cinco anos; 7% aos dez e 3% aos doze. O distúrbio é mais comum em crianças do sexo masculino. Há ainda casos mais raros em que os episódios de perda de urina podem ocorrer na adolescência ou mesmo na vida adulta.

 

Classificação

Nas crianças, a enurese noturna pode ser classificada em primária ou secundária.

PRIMÁRIA: quando a criança não consegue passar por um período prolongado de controle da urina durante o sono.

SECUNDÁRIA: quando, após passar um período de seis meses sem fazer xixi na cama, a criança volta a apresentar o problema sem uma causa aparente. Esses casos, geralmente, são associados a acontecimentos sociais e familiares estressantes.

 

Causas

  • Retardo na maturação neurológica, que é responsável pelo controle dos esfíncteres;
  • Hiperatividade vesical noturna, ou seja, contrações involuntárias da bexiga durante o sono;
  • Sono pesado que impede a criança de responder ao sinal de bexiga cheia;
  • Concentração baixa de hormônio antidiurético vasopressina durante a noite. Assim, a criança apresenta um volume de urina maior do que a capacidade de armazenamento da bexiga.

 

Diagnóstico

O diagnóstico é feito através de uma análise da história clínica da criança, após o urologista receber os dados e detalhes dos sintomas da criança. Com o Diário Miccional, o médico vai poder avaliar o padrão de micção da criança durante o dia e o volume de urina dela no período da noite.

 

Tratamento

São muitas as opções de tratamento e a escolha vai depender da necessidade de cada paciente. Alguns pais preferem esperar um tempo para ver se a criança consegue controlar sozinha a micção, mas o tratamento é vantajoso, pois acelera esse processo de cura.

A primeira opção de tratamento da enurese noturna está em criar mudanças nos hábitos de vida, como evitar a ingestão de líquidos antes de dormir.

Outro recurso que pode funcionar é o uso de despertador para que o paciente levante no meio da noite e esvazie a bexiga.

 

ATENÇÃO: uma criança que volta a fazer xixi na cama após superar o problema da enurese noturna pode estar emocionalmente insegura por fatores como: nascimento de um irmão, problemas na escola, conflitos familiares, abusos, etc.